Descoberto o gene da mania

Terça-feira, 29 de outubro de 2013. - A revista Nature publica esta semana um estudo sobre a base genética da mania ou comportamento maníaco que ocorre no transtorno bipolar e no déficit de atenção e hiperatividade (TDAH). Os autores, liderados por Huda Zoghbi, da Faculdade de Medicina Baylor (EUA), apontam que as causas desse comportamento podem ser ocultadas após a superexpressão do SHANK3, um gene com papel importante na função cerebral.

"O SHANK3 codifica uma proteína que funciona na sinapse, o ponto de comunicação entre os neurônios", explica Zoghbi ao SINC. “Suas mutações e deleções - perdas de um fragmento de DNA de um cromossomo - foram associadas ao autismo, deficiência intelectual e esquizofrenia. E o aumento na quantidade de SHANK3 também pode ser prejudicial à função neuronal ”, acrescenta.
No entanto, diferentemente das deleções de SHANK3, até agora as conseqüências da superexpressão desse gene não eram claras. O trabalho que os confirmou foi realizado primeiro em ratos e depois em dois pacientes humanos. "Para nossa surpresa, os ratos que superexpressam o SHANK3 apresentam convulsões e comportamentos maníacos, como hiperatividade, hipersensibilidade à anfetamina e ritmos circadianos anormais", disse o especialista.

Synapse


Uma análise mais detalhada com testes bioquímicos e eletrofisiológicos indicou que os neurônios desses camundongos apresentam atividade elétrica anormal devido a alterações nas sinapses.
Mais tarde, os cientistas identificaram dois pacientes humanos com distúrbios neuropsiquiátricos, um bipolar e outro com TDAH, que tinham duplicações na região cromossômica que contém o SHANK3. Além da simples determinação dos sintomas associados à superexpressão do SHANK3, este estudo sugere as alterações moleculares e celulares que levam ao desenvolvimento do comportamento maníaco e talvez do transtorno bipolar.

Um tratamento eficaz


O trabalho identifica tratamentos que podem ser úteis para pessoas com distúrbios neuropsicológicos relacionados à superexposição do SHANK3.
Os autores avaliaram os efeitos dos estabilizadores de humor nesses modelos de camundongos e observaram que o valproato (um ácido graxo com habilidades anticonvulsivantes), mas não o lítio, é capaz de reverter o comportamento maníaco.
"Esses resultados melhoram a compreensão dos mecanismos que contribuem para esses distúrbios neuropsicológicos e o tipo de tratamentos que podem ser apropriados", conclui Zoghbi. "Esse tipo de análise será crucial no futuro para a seleção apropriada de terapias para esses distúrbios".
Fonte: www.DiarioSalud.net Etiquetas:  Nutrição Glossário Saúde 

Artigos Interessantes

add