Eles descobrem duas maneiras de esquecer voluntariamente memórias indesejadas

Quinta-feira, 18 de outubro de 2012
Acontece que não há uma, mas duas maneiras opostas pelas quais o cérebro nos permite esquecer voluntariamente memórias indesejadas, de acordo com um estudo publicado na revista 'Neuron' por pesquisadores da Universidade de Cambridge. Os resultados podem explicar como os indivíduos podem lidar com experiências adversas e podem levar ao desenvolvimento de tratamentos para melhorar os distúrbios do controle da memória. "Este estudo é a primeira demonstração de dois mecanismos diferentes que causam esse esquecimento: um, desligando o sistema de memória, e o outro, facilitando o sistema de memória a ocupar a consciência com uma memória substituta", diz o autor do estudo, Roland Benoit, da Unidade de Cognição e Ciências do Cérebro da Universidade de Cambridge.
Estudos anteriores mostraram que as pessoas podem bloquear voluntariamente as memórias da consciência. Embora vários estudos de neuroimagem tenham examinado os sistemas cerebrais envolvidos nesse esquecimento intencional, as táticas cognitivas ou os fundamentos neuronais precisos que as pessoas usam ainda não foram revelados. Duas maneiras possíveis de esquecer memórias indesejadas são suprimi-las ou substituí-las por memórias mais desejáveis, e essas táticas podem envolver diferentes vias neurais.
Para testar essa possibilidade, Benoit e Michael Anderson, da Unidade de Cognição e Ciências do Cérebro, usaram imagens de ressonância magnética funcional para examinar a atividade cerebral dos voluntários, que haviam aprendido associações entre pares de palavras e subsequentemente tentaram esquecer essas memórias, bloqueando-os ou lembrando-se de memórias substitutas.
Embora as estratégias fossem igualmente eficazes, eles ativaram diferentes circuitos neurais. Durante a supressão da memória, uma estrutura cerebral chamada córtex pré-frontal dorsolateral inibe a atividade no hipocampo, uma região crítica para lembrar eventos passados. Por outro lado, a substituição da memória foi apoiada pelo córtex pré-frontal caudal e pelo córtex pré-frontal ventrolateral - duas regiões envolvidas na conscientização de memórias específicas na presença de distrações.
"Uma melhor compreensão desses mecanismos, e como eles se decompõem, pode ajudar a entender os distúrbios caracterizados pela falta de regulamentação das memórias, como o estresse pós-traumático", diz Benoit. "Saber que diferentes processos contribuem para o esquecimento pode ser útil, porque as pessoas podem naturalmente se sair melhor em uma abordagem ou outra".

Fonte: www.DiarioSalud.net Etiquetas:  Bem estar Saúde Família 

Artigos Interessantes

add