Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade na idade adulta

Sexta-feira, 4 de julho de 2014.- Muitas crianças são diagnosticadas com Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH). Nos Estados Unidos, o percentual atinge 11% da população infantil em idade escolar. Embora muitas dessas crianças acabem superando o distúrbio antes de atingir a maioridade, algumas não conseguem. Por exemplo, no caso dos Estados Unidos, cerca de 10 milhões de adultos têm um diagnóstico de Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade.

Um novo estudo é o primeiro no qual os padrões de atividade cerebral em adultos que se recuperaram do TDAH sofridos na infância foram cuidadosamente comparados com os padrões de atividade cerebral em adultos que conseguiram deixar o distúrbio para trás.
Neste estudo, uma série impressionante de diferenças cruciais entre pacientes e ex-pacientes foi descoberta em uma rede de comunicação cerebral que é ativada quando o cérebro está completamente acordado, mas descansando, sem se concentrar em nenhuma tarefa específica. O que foi descoberto na pesquisa oferece evidências de uma base biológica para o TDAH adulto, e essas informações novas e reveladoras podem ajudar a validar os critérios usados ​​para diagnosticar a doença, segundo os autores do novo estudo.
Os diagnósticos de TDAH em adultos aumentaram dramaticamente nos últimos anos. Essas pessoas geralmente apresentam sintomas semelhantes aos causados ​​pelo distúrbio durante a infância: incapacidade geral de manter o foco em alguma coisa, o que se reflete na dificuldade em concluir tarefas complexas, ouvir instruções ou lembrar detalhes.
As diretrizes psiquiátricas para determinar se o TDAH de uma pessoa é persistente ou desaparece, são baseadas em muitos estudos e observações clínicas. O novo estudo realizado pela equipe de John Gabrieli, do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), em Cambridge, Estados Unidos, sugere que existe uma fronteira biológica real entre esses dois tipos de pacientes.
O estudo se concentrou em 35 adultos diagnosticados com TDAH quando crianças; 13 deles ainda sofrem com o distúrbio, enquanto os outros já se recuperaram.
Os pesquisadores usaram técnicas especiais de ressonância magnética funcional (fMRI) para estudar o que o cérebro faz quando a pessoa não está focada em uma tarefa específica. Os padrões cerebrais revelaram quais partes do cérebro se comunicam durante esse estado de vigília inativa.
Em pessoas sem TDAH, quando a mente não está focada em algo, há uma atividade síncrona distinta em uma série de regiões do cérebro que compõem uma rede conhecida como rede neural padrão. Em estudos anteriores, determinou-se que em crianças e adultos com TDAH, dois principais centros de interconexão nessa rede (o córtex cingulado posterior e o córtex pré-frontal medial) não são sincronizados.
O novo estudo da equipe do MIT mostrou, pela primeira vez, que em adultos diagnosticados com TDAH quando eram crianças, mas agora não sofrem mais com o distúrbio, o padrão normal de sincronia foi restaurado. Seu cérebro agora possui o mesmo funcionamento interno observado em pessoas que nunca tiveram TDAH. No entanto, em outra medida da sincronia cerebral, os pesquisadores descobriram muito mais semelhança entre os dois grupos de pacientes com TDAH.
Em pessoas sem TDAH, quando a rede neural padrão é ativada, a rede TPN (para o acrônimo em Task Positive Network) permanece desativada. Quando o cérebro começa a executar tarefas que requerem concentração, o TPN assume e desativa a rede neural padrão. Se esse relacionamento de reciprocidade se degradar, a capacidade de concentração da pessoa diminui.
Tanto o grupo de pacientes adultos com TDAH quanto os que sofreram apenas na infância apresentaram padrões de ativação simultânea nas duas redes cerebrais.
Aaron Mattfeld e Susan Whitfield-Gabrieli, do Instituto McGovern para Pesquisa do Cérebro, no MIT, também trabalharam na pesquisa.
Fonte: www.DiarioSalud.net Etiquetas:  Glossário Nutrição Sexualidade 

Artigos Interessantes

add