A obesidade pode alterar o sentido do paladar

Segunda-feira, 9 de dezembro de 2013.- A obesidade tem uma relação complicada com apetite e um paladar. Esse vínculo é tão complexo que só agora os cientistas começaram a estudar o papel do sabor em pessoas com sobrepeso.

Na Universidade de Buffalo, Estados Unidos, a professora de ciências biológicas Kathryn Medler descobriu - junto com sua equipe de pesquisadores - que as células da língua responsáveis ​​pela detecção do sabor doce podem mudar com a obesidade.
Na pesquisa feita em ratos e publicada na revista PLoS One, os biólogos descobriram que o excesso de peso grave prejudica a capacidade de detectar o doce e o amargo.
Comparados aos roedores finos, os ratos gordos tinham menos células gustativas que respondiam à estimulação doce. Algo que não aconteceu com os outros sabores básicos: salgado, ácido e umami (do japonês "saboroso").
Até agora, os estudos se concentraram em analisar as diferentes áreas do cérebro que controlam o apetite e fazem a pessoa querer comer, bem como as alterações hormonais de uma pessoa obesa.
No entanto, segundo Medler, ninguém havia notado as células responsáveis ​​pela detecção dos diferentes sabores, que são aqueles que têm contato direto com os alimentos.
"E o que descobrimos foi que eles não respondem tão bem e que, quando o fazem, os sinais que enviam não são tão fortes quanto os que seriam enviados em um mouse normal", explica ele à BBC Mundo.

Fácil acesso


Essa descoberta abre uma nova possibilidade para o tratamento da obesidade. "Se conseguirmos manipular essas células para funcionarem normalmente, poderemos controlar e mudar a tendência das pessoas a comer demais", diz Medler.
"É muito mais fácil ter acesso à linguagem do que ao cérebro", acrescenta o especialista.
A pesquisa também demonstra como a obesidade pode afetar os primeiros passos do processo do paladar, como a estimulação das células receptoras.
O sabor desempenha um papel importante na regulação do apetite, no que comemos e quanto comemos.
Se as células que detectam o sabor não funcionarem corretamente, pode haver uma tendência a comer mais doces, pois a sensação de saciedade pode levar tempo para chegar.
"Se você come algo muito denso, como doce de leite, pode comer um pouco, mas não muito. Mas se é algo que não é tão doce, então você tende a comer muito mais até chegar a um ponto em que Você sente que já teve o suficiente. Mas se sua capacidade de discriminar algo doce e muito doce não funcionar bem, você terá que comer mais para chegar ao mesmo ponto (de saciedade) ", explica Medler.

Um pouco doce


Estudos anteriores demonstraram que pessoas obesas desenvolvem desejos por alimentos doces e salgados, apesar de não sentirem o sabor desses sabores, além de indivíduos mais magros.
Agora, os especialistas devem realizar mais testes para determinar se é a dieta que altera as células da língua ou está acima do peso.
O nutricionista Rubén Bravo, do Instituto Médico Europeu de Obesidade, acredita que o estudo dá mais significado ao trabalho que vem realizando.
"Estudamos pacientes obesos há vários anos, e a grande maioria tem um gosto doce diminuído, o que significa que eles precisam mais para regular seu equilíbrio emocional e ansiedade em relação a esses doces", disse Bravo à BBC Mundo.
O especialista explica que, embora a pesquisa esteja em um estágio muito inicial, seus primeiros resultados reforçam sua abordagem ao desenho de uma dieta que à tarde oferece doces mais saudáveis ​​do que doces, chocolates ou produtos de pastelaria industrial.
"Usamos 0% de chocolate amargo ou doces e sobremesas de baixa caloria", acrescenta. Dessa forma, eles controlam a ansiedade dos pacientes.
O estudo de Medler comparou 25 camundongos normais com 25 alimentados com uma dieta rica em gordura que os tornou obesos.
Fonte: www.DiarioSalud.net Etiquetas:  Sexualidade Saúde Nutrição 

Artigos Interessantes

add