Na América Central, cozinhar tortilhas causa morte prematura a milhares de pessoas

Sexta-feira, 8 de novembro de 2013.- Na América Central, as tortilhas fazem parte da dieta de milhares de famílias da região, mas, de uma maneira paradoxal, também se tornaram um inimigo público da saúde.

Devidamente cozidas, as tortilhas são um alimento nutritivo, mas preparadas com lenha tornam-se um veículo para as emissões tóxicas das chamas, um processo que mata prematuramente cerca de 37.000 pessoas todos os anos e afeta cerca de 20 milhões de centro-americanos, segundo Dados do Banco Mundial.
Milhares de mulheres passam quase quatro horas por dia fazendo tortilhas, feijões e ensopados para suas famílias. Mas no processo inalam sem nenhum filtro que a fumaça emitida pela madeira queimada. As consequências são mortais não apenas para eles, mas também para seus filhos.
Pneumonia infantil, baixo peso ao nascer, habilidades cognitivas diminuídas e doenças pulmonares crônicas em mulheres estão ligadas a esse tipo de contaminação. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a poluição ambiental doméstica é um dos cinco principais fatores responsáveis ​​por mortes e doenças prematuras na Guatemala, Honduras e Nicarágua, onde quase 86% das pessoas na região que usam lenha estão concentradas. para cozinhar.
O estudo do Banco Mundial O que aprendemos com o cozimento doméstico de biomassa na América Central? (em inglês) propõe uma abordagem regional para substituir práticas de culinária rudimentares e facilitar o que foi chamado de acesso universal à 'culinária limpa'. Uma solução relativamente simples é incentivar o uso de cozinhas seguras, especialmente projetadas para usar a biomassa como combustível, mas sem contaminar. Estas cozinhas têm uma câmara de combustão mais eficiente, ferro reforçado e lareira. Com uso e manutenção adequados, eles produzem menos ou nenhuma fumaça e usam menos madeira.
A América Central decidiu fornecer à sua população um milhão desses fogões aprimorados até 2020. Na região, são necessários quatro milhões desses fogões para fornecer 20 milhões de pessoas que dependem da lenha para acesso universal à cozinha limpa. Supondo um custo de US $ 150 por cozinha (incluindo produção, distribuição, treinamento, certificação e campanhas promocionais), o acesso universal exigiria um investimento de 600 milhões.
O Banco Mundial está liderando um esforço para desenvolver um programa regional de cozinha ao lado do Sistema de Integração da América Central (SICA) e dos governos nacionais. Especialistas acreditam que a prática de cozinhar diretamente com lenha está se tornando uma ameaça para o futuro da América Central.
"As cozinhas eram consideradas um problema menor para o desenvolvimento da região. Esse não é mais o caso, e é por isso que procuramos eliminar a fumaça das placas da América Central", disse Ede Ijjasz-Vásquez, diretor de Desenvolvimento Sustentável do Banco Mundial. América Latina.
Fonte: www.DiarioSalud.net Etiquetas:  Família Bem estar Notícia 

Artigos Interessantes

add