Gravidez, ameaça de morte para milhões de adolescentes

A gravidez é a principal causa de morte de meninas adolescentes em todo o mundo, reivindicando a vida de milhares delas todos os anos ou deixando-as gravemente doentes, segundo a organização de direitos da criança Save the Children.
Pode ser paradoxal que o processo pelo qual um ser nasça para a vida seja descrito como a "maior causa da morte de adolescentes" no mundo, mas as figuras falam por si.
Anualmente, gravidezes e nascimentos causam morte ou lesões graves a um milhão de adolescentes, a maioria jovens com recursos limitados, com difícil acesso à educação e residentes em países em desenvolvimento.
O relatório Save the Children "O direito de toda mulher: como o planejamento familiar salva a vida das crianças" mostra uma realidade devastadora, mas ao mesmo tempo oferece alguns mecanismos para tentar reverter a situação.

Gestações prematuras e consecutivas


A raiz do problema, diz Save the Children, é a falta de acesso a métodos contraceptivos e o pouco planejamento familiar que reina em muitos países, geralmente os mais populosos do planeta.
Meninas e adolescentes entre 15 e 18 anos se casam e engravidam logo após o casamento, quando seus corpos ainda não estão prontos para ganhar a vida.
Não só isso. Também o fato de outra gravidez ocorrer muito cedo após o parto é perigoso para a mãe e o bebê.
"O corpo dessas jovens não está preparado, elas podem desenvolver fístulas por trabalho prolongado"
George Kijana, diretor de projeto da Save the Children na Libéria
Segundo a organização, é uma questão de facilitar para as mulheres escolherem quando querem engravidar e quanto tempo desejam passar entre uma gravidez e outra.
Permitir o acesso das mulheres ao planejamento familiar para que elas possam atrasar a concepção por pelo menos três anos após o parto reduz o risco de complicações para a mãe e o filho e pode salvar até 1, 8 milhão de vidas cada ano.
Mas a realidade indica que cerca de 222 milhões de mulheres em todo o mundo que não querem engravidar não têm acesso à contracepção.

Complicações médicas


Este ano, estima-se que haverá cerca de 80 milhões de gestações sem assistência ou mal planejadas nos países em desenvolvimento.
A correspondente da BBC Emily Buchanan explica que, em uma clínica em uma região pobre do norte da Libéria, um terço de todos os bebês nascidos são mães entre 15 e 19 anos. Alguns não excedem 13.
Um dos gerentes de projeto da Save the Children, George Kijana, disse à BBC que essas jovens mães estão expostas a muitas complicações médicas.
"O corpo dessas jovens não está preparado, elas podem desenvolver fístulas por trabalho prolongado", lamenta. Uma fístula causa muita dor e incontinência e as meninas são frequentemente relegadas ao ostracismo por suas famílias.
Os bebês também estão em maior risco, acrescenta Kijana, que explica que eles têm mais opções de morrer se a mãe tiver menos de 18 anos.
Durante anos, os programas de planejamento familiar têm lutado para encontrar financiamento e apoio para seus programas, enquanto o direito religioso de muitos países, e nem todos eles em desvantagem, se opõe a essas iniciativas.

Esforços internacionais


Os líderes internacionais se reunirão em Londres no próximo mês para uma conferência de planejamento familiar na qual o governo britânico e a Fundação Bill e Melinda Gates serão anfitriões.
Além disso, a agência de desenvolvimento dos EUA USAID, em cooperação com os governos da Índia e da Etiópia, fez um apelo global à ação para acabar com, em uma geração, as mortes evitáveis ​​de crianças.
A Save the Children pede aos legisladores que apoiem esse objetivo ousado e valorizem o planejamento familiar como parte essencial da solução, juntamente com outros investimentos em saúde, nutrição e educação para meninas.
Atender à necessidade global de contracepção pode impedir 30% das mortes maternas e 20% das mortes de recém-nascidos nos países em desenvolvimento, além de potencialmente salvar 649.000 vidas por ano.

Dados para refletir uma realidade


Globalmente, uma em cada cinco meninas será mãe antes dos 18 anos.
Meninas que têm filhos: as complicações de uma gravidez são a principal causa de morte entre meninas e adolescentes entre 15 e 19 anos no mundo.
A cada ano, 50.000 adolescentes e jovens morrem durante a gravidez ou o parto, em muitos casos porque seus corpos não estão prontos para gerar bebês.
O risco de uma mulher morrer por causas relacionadas à maternidade é de 1 em 3.800 nos países desenvolvidos, mas 1 em 150 nos países em desenvolvimento.
Uma pesquisa nacional na Nigéria em 2005 descobriu que quase um terço das mulheres acreditava que certos métodos contraceptivos poderiam causar infertilidade feminina.
Cada US $ 1 investido em planejamento familiar economiza pelo menos US $ 4 que seriam gastos em complicações relacionadas à gravidez.
O risco de morte para recém-nascidos aumenta 60% se a mãe tiver menos de 18 anos, em comparação com bebês nascidos de mulheres com mais de 19 anos.
10 milhões é o número estimado de meninas menores de 18 anos que se casam todos os anos, o equivalente a 25.000 todos os dias.

Fonte: www.DiarioSalud.net
Etiquetas:  Verificação De Saída Notícia Medicação 

Artigos Interessantes

add