OMS pede que seringas "inteligentes" sejam usadas em todo o mundo

Quarta-feira, 4 de março de 2015.- O uso da mesma seringa ou agulha para administrar injeções a mais de uma pessoa está favorecendo a propagação de várias doenças infecciosas mortais em todo o mundo. Milhões de pessoas poderiam ser protegidas contra infecções contraídas por injeções contaminadas, se todos os programas de saúde começassem a usar seringas que não poderiam ser usadas mais de uma vez.

Por esses motivos, a Organização Mundial da Saúde (OMS) está implementando uma nova política de segurança de injeção, destinada a ajudar todos os países a resolver o problema generalizado das injeções administradas sem garantias de segurança.
Reduzir risco De acordo com um estudo publicado em 2014, patrocinado pela OMS, no qual os dados disponíveis mais recentes foram utilizados, estima-se que em 2010 o número de pessoas infectadas no mundo pelo vírus da hepatite B por injeção contaminada atingiu 1, 7 milhão de pessoas; esse número pode chegar a 315.000 pessoas no caso do vírus da hepatite C e 33.800 no HIV.
As novas diretrizes e a nova política de segurança de injeção que a OMS publica hoje oferecem recomendações detalhadas que destacam a importância do uso de seringas seguras, equipadas com sistemas que protegem o pessoal de saúde de qualquer punção acidental com uma agulha e o consequente risco de infecção
A OMS também destaca a necessidade de reduzir o número de injeções desnecessárias, um fator decisivo na redução de riscos. A cada ano, 16 bilhões de injeções são administradas. Aproximadamente 5% deles são usados ​​para vacinar crianças e adultos, e outros 5% são usados ​​em procedimentos como transfusões de sangue ou para administrar contraceptivos injetáveis. Nos 90% restantes, as injeções são administradas inserindo a agulha no tecido muscular (intramuscular) ou na pele (subcutânea ou intradérmica) para administrar medicamentos. Em muitos casos, essas injeções são desnecessárias ou podem ser substituídas por medicamentos orais.
"Sabemos quais são as razões pelas quais isso está acontecendo", diz o Dr. Edward Kelley, diretor do Departamento de Serviços e Segurança da OMS. Uma das razões é que, em muitos países, as pessoas têm a expectativa de receber injeções, acreditando que esse é o sistema mais eficaz. Outra é que, nos países em desenvolvimento, muitos profissionais de saúde administram injeções em suas consultas particulares para complementar seu salário, o que pode não ser suficiente para sustentar suas famílias ".
A transmissão de infecções através de injeções contaminadas ocorre em todo o mundo. Por exemplo, em 2007, a causa de um surto de hepatite C no estado de Nevada (Estados Unidos) estava localizada na clínica de um único médico que injetou anestésico em um paciente com hepatite C. Em seguida, o médico usou o mesma seringa para extrair outras doses do anestésico do mesmo frasco que foi contaminado pelo vírus da hepatite C e administrou injeções a outros pacientes. No Camboja, um grupo de mais de 200 crianças e adultos que vivem perto da segunda cidade mais importante do país, Battambang, testou positivo para o HIV em dezembro de 2014. Posteriormente, o surto foi atribuído à administração de injeções sem medidas de segurança.

As novas seringas "inteligentes"

"A implementação do uso de seringas com mecanismos de segurança é essencial para proteger a população em todo o mundo contra a infecção pelo HIV, hepatite e outras doenças. Essa deve ser uma prioridade urgente para todos os países", diz o Dr. Gottfried Hirnschall, Diretor do Departamento de HIV / AIDS da OMS.
As novas seringas "inteligentes" recomendadas pela OMS para a administração de injeções intramusculares, intradérmicas e subcutâneas têm características que impedem sua reutilização. Alguns modelos têm um ponto fraco no êmbolo que faz com que ele se quebre, se o usuário tentar retirá-lo depois de administrar a injeção. Outros possuem um mecanismo de metal que trava o êmbolo para que ele não possa se mover para trás, enquanto em outros a agulha se retrai para o corpo da seringa após a administração da injeção.
A tecnologia projetada para proteger os profissionais de saúde de perfurações acidentais com agulhas usadas que podem causar infecções também está sendo incorporada às seringas. Depois que a seringa é usada, uma bainha ou tampa protetora desliza sobre a agulha, impedindo que o usuário a pique acidentalmente com a agulha, protegendo-o de qualquer risco possível de infecção.
A OMS insta os países a já terem implementado o uso exclusivo das novas seringas "inteligentes" até 2020, exceto nos poucos casos em que o bloco de seringas após seu primeiro uso interfere no procedimento realizado, conforme exemplo, quando o paciente está conectado a uma bomba intravenosa usando uma seringa.
A Organização também recomenda que políticas e padrões sejam adotados para a aquisição, uso e descarte seguros de seringas que possam ter que ser reutilizadas em situações onde ainda é necessário, inclusive em programas de distribuição de seringas para pessoas que consomem drogas injetáveis O treinamento contínuo dos profissionais de saúde na área de segurança de injeção, que a OMS apoia há décadas, é outra estratégia recomendada. A OMS pede aos fabricantes que iniciem ou expandam o mais rápido possível a produção de seringas "inteligentes" que estejam em conformidade com os padrões de operação, qualidade e segurança da Organização.

Melhorar a segurança das injeções

"A nova política constitui um passo decisivo na estratégia de longo prazo para melhorar a segurança das injeções, através da colaboração com países de todo o mundo. Já vimos um progresso considerável", diz o Dr. Kelley. Entre 2000 e 2010, à medida que as campanhas de segurança de injeção ganhavam impulso, a reutilização de dispositivos de gerenciamento de injeção nos países em desenvolvimento diminuiu sete vezes.

No mesmo período, a administração de injeções desnecessárias também diminuiu: nos países em desenvolvimento, o número médio de injeções por pessoa aumentou de 3, 4 para 2, 9. Além disso, a partir de 1999, quando a OMS e suas organizações parceiras solicitaram aos países em desenvolvimento que administrassem vacinas para crianças apenas com seringas que eram automaticamente inutilizáveis ​​após o primeiro uso, a grande maioria desses países adotou esse sistema.
Seringas que não estão equipadas com mecanismos de segurança custam entre US $ 0, 03 e US $ 0, 04 quando compradas por uma agência das Nações Unidas para um país em desenvolvimento. As novas seringas "inteligentes" custam pelo menos o dobro. A OMS pede aos doadores que contribuam para a implementação do uso desses dispositivos, prevendo que os preços diminuam com o tempo à medida que a demanda aumentar.

Fonte: www.DiarioSalud.net Etiquetas:  Notícia Saúde Glossário 

Artigos Interessantes

add